Pastor “ex-gay”, herdeiros políticos e bolsonaristas encabeçam lista de campeões de votos na Câmara

09/10/2018 - 08h40

O PSL, de Jair Bolsonaro, foi o partido que mais fez campeões de votos

Prenúncio: João Campos discursa na tribuna da Câmara em 2014, na solenidade de homenagem ao pai, Eduardo Campos Prenúncio: João Campos discursa na tribuna da Câmara em 2014, na solenidade de homenagem ao pai, Eduardo Campos

Ao se reeleger com 1.843.735 votos, Eduardo Bolsonaro (PSL) entrou para a história da Câmara. Foi a maior votação já obtida por um deputado, superando o recorde alcançado em 2014 por Celso Russomanno (PRB-SP). Escrivão da Polícia Federal, o filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) carrega três marcas que distinguem muitos dos campeões de voto destas eleições: é de uma família de políticos, atua na área da segurança pública e apoiador do candidato mais bem colocado no primeiro turno da eleição presidencial, o seu pai, Jair Bolsonaro (PSL).

Dos 27 mais votados em cada unidade federativa, ao menos 11 têm histórico familiar na política, seis são policiais ou militares e dois apresentam programas policialescos de TV. Percentualmente, porém, ninguém obteve votação maior do que João Campos (PSB-PE). Aos 23 anos, o filho do ex-governador Eduardo Campos (PSB) recebeu mais de 460 mil votos (10,63% dos votos válidos).

Em agosto de 2014, a vida do "menino de Eduardo" – alcunha com que João se apresentou na campanha eleitoral – mudou radicalmente quando, em plena corrida presidencial, seu pai morreu em um acidente de avião em Santos (SP). Começava a jornada do então estudante até ocupar o lugar que seria da mãe, Renata Campos, no PSB. Ela optou por ficar fora da vida pública, frustrando os planos do partido, de forma que coube a João vocalizar o legado do ex-governador.

João Campos teve estrutura de gente grande na campanha, com mais de R$ 1,5 milhão para gastar e o apoio de políticos de proa da política pernambucana, numa lista que reúne deputados, vereadores e prefeito. Recebeu do correligionário Paulo Câmara, reeleito governador de Pernambuco no primeiro turno, todo o amparo para disputar o pleito. Engenheiro civil, diz que centrará esforços em três frentes durante seu primeiro mandato, além da própria valorização da atividade política: educação, geração de empregos e defesa dos recursos hídricos.

"Ex-gay" e "doido de Salvador"

Pastor Sargento Isidório chega ao Congresso com a maior votação da bancada baiana. Pastor Sargento Isidório chega ao Congresso com a maior votação da bancada baiana.

Pastor e militar, o campeão de votos na Bahia é um deputado estadual que declara ser um "ex-gay curado por Deus". Candidato a prefeito da capital baiana em 2016, Pastor Sargento Isidório (Avante) se apresentou durante aquela campanha como o "doido de Salvador". Não se elegeu. Mas, no último domingo, foi o campeão de votos da nova bancada federal da Bahia ao receber 323.241 votos. Por tabela, elegeu João Isidório, seu filho, deputado estadual.

O pastor é conhecido por carregar a bíblia debaixo do braço, a exemplo do deputado Cabo Daciolo (Patriota), que concorreu à Presidência da República, e por defender a controversa "cura gay", bandeira de integrantes da bancada evangélica.

O PSL, de Jair Bolsonaro, foi o partido que mais fez campeão de votos. Além do novo recordista Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), a legenda também teve o candidato mais votado em Goiás, com Delegado Waldir, em Mato Grosso, com Nelson Barbudo (PSL), em Minas Gerais, com Marcelo Alvaro Antônio, e no Rio de Janeiro, com Hélio Fernando Barbosa Lopes, um subtenente do Exército nego que fez campanha usando emprestado o sobrenome Bolsonaro.(Congresso em Foco)

 

Canais

Valfrido Silva
Artigos
Geral
Entrevistas
Roda do Tempo
Bastidores

Expediente

Contato
Anuncie